quinta-feira, 7 de julho de 2011

Caminharei meus passos chapados
até que o sol se faça presente
descansarei sob alguma árvore
prostrada às margens do caminho
conversarei com meus botões
minhas botas cansadas
meus cigarros amassados
e quando a lua soar entre estrelas
caminharei novamente
as idéias que não cessam
os sonhos que alimento
beberei com estranhos
sucumbirei às horas
e me entregarei às autoridades
eu e minha ideologia utópica.

Um comentário:

Larissa Marques disse...

passei algumas vezes por aqui. voltei em todos os escritos que me tocaram. trago essa ideologia utópica do poema, creio que a seu modo a maioria carrega a sua, uns não falam dela, outros a pintam em quadros, fazem música, outros a descrevem. assim, deixamos marcas de que passamos, abraço.